Você sabe como fazer gestão de custos industriais? Aprenda aqui!

Você sabe como fazer gestão de custos industriais? Aprenda aqui!

Você sabe como fazer gestão de custos industriais? Aprenda aqui!

Uma boa gestão de custos industriais leva o engenheiro de custos a controlar melhor os gastos gerados na fabricação e comercialização de produtos e/ou serviços, otimizando recursos de produção — diminuindo ou mesmo eliminando aqueles que são desnecessários, o que contribui para o sucesso do negócio.

Além disso, a precificação das mercadorias está diretamente relacionada aos investimentos feitos no processo produtivo. Logo, quando se tem uma gestão de custos, é possível definir preços que coincidem com a realidade da empresa, considerando os valores exercidos pelas marcas concorrentes, sem comprometer o volume de vendas e as margens de lucro.

Continue lendo este post para aprender como fazer uma gestão de custos industriais eficiente!

Custos industriais: conceito

Os custos representam todo o dinheiro injetado diretamente nos recursos de produção — mão de obra, insumos, manutenção, energia elétrica, materiais de conservação e limpeza, entre outros — necessários para a atividade-fim do empreendimento.

Eles são essenciais para o cotidiano de qualquer indústria, pois é por meio deles que o empreendimento consegue funcionar. Portanto, para aumentar o ritmo de bens produzidos, geralmente, é necessário elevar o custo do negócio.

Tipos de custos industriais

Existe uma variedade imensa de custos que devem ser levantados em uma indústria. Veja a seguir, quais são os que fazem parte dos esforços necessários para a geração de um produto.

Custos diretos

Nada mais são do que aqueles que estão diretamente ligados a um produto. É perfeitamente possível medi-los, pois estão incluídos no cálculo da produção, de forma individual.

Exemplos:

  • mão de obra direta;
  • remuneração dos colaboradores e os encargos sociais, 13º salário, provisão de férias.
  • insumos usados para a fabricação de mercadorias.

Custos indiretos

São os custos que não são detectados diretamente nos produtos/serviços, ou seja, não podem estar relacionados a produtos específicos.

Exemplos:

  • materiais indiretos, como os que são usados nos procedimentos auxiliares de fabricação, como graxas, lixas e lubrificantes;
  • despesas com aluguéis de ferramentas, depreciação de máquinas e seguros.

Custos fixos

Custos fixos não sofrem alterações pelo volume de produção, podendo ainda ser categorizados conforme a sua periodicidade.

Exemplos:

  • aluguel do chão de fábrica;
  • telefonia;
  • limpeza;
  • manutenção.

Custos variáveis

São aqueles que estão totalmente ligados à produção da empresa e podem sofrer variações de um período para outro.

Exemplos:

  • matéria-prima — quanto maior é a demanda de fabricação, mais recurso é consumido, logo, maior é o gasto;
  • fretes de venda;
  • comissões.

Importante! Ainda que o volume de produção continue estável por um determinado período, os custos variáveis jamais serão compreendidos como fixos, pelo fato de sempre estarem ligados ao processo de fabricação.

Como fazer a gestão de custos industriais

Para determinar o custo real da estrutura de produção, é preciso gerenciar efetivamente todos os custos diretos e indiretos envolvidos no processo. Para isso, basta seguir algumas recomendações.

Registre a entrada de material com o custo da compra

Esse procedimento deve ser realizado exatamente na hora em que o insumo chega ao estoque, pois se isso não for feito em tempo real, o material pode ser solicitado para a produção sem mesmo a entrada ter sido registrada na planilha de controle. Portanto, é imprescindível se atentar a essa questão para que tudo possa ser administrado da melhor forma.

Faça a apuração horas-homem

O total de horas-homem por tarefa é obtido multiplicando o total de profissionais atribuídos a uma atividade pelo tempo que demora a completá-la.

Por exemplo, vamos imaginar que 20 funcionários de uma metalúrgica prestam 12 turnos de trabalho para terminar um pedido de 1000 unidades de produto. Considerando 8 horas úteis por dia, é possível utilizar a fórmula:

20 x 12 x 8 = 1920 horas trabalhadas

1000 / 1920 = 0,52 unidades por hora

Ao obter o resultado, fica fácil estimar como a força de trabalho contribui para o custo unitário e para rentabilidade da linha de produção. Além disso, esse dado pode ser utilizado para medir melhorias da produtividade, otimizar custos e implantar novos processos.

Levante os custos indiretos

Os custos indiretos precisam ser levantados e registrados todos os meses. Depois disso, devem ser distribuídos para todas as ordens da fábrica. Para isso, basta utilizar direcionadores de custo, como:

  • horas-homem;
  • horas-máquina;
  • quantidade produzida;
  • total de matéria-prima requisitada.

Sistemas de gestão de custos industriais mais utilizados

Custeio por absorção

Também conhecido como custeio integral, o custeio por absorção é uma metodologia derivada dos princípios fundamentais da contabilidade. Consiste na integração de todos os custos (fixos, varáveis, diretos e indiretos) gerados pela utilização de recursos da produção aos bens produzidos. Dessa forma, os gastos referentes ao esforço de fabricação são atribuídos para todos os produtos feitos.

O principal motivo para usar o custeio por absorção, em vez de outros métodos, é que ele segue a legislação. Sem contar que ele é bem mais fácil de aplicar, uma vez que não exige a segmentação de custos de produção por categoria.

Custeio variável

O custeio direto, ou variável, divide os custos em duas classes: fixos e variáveis. O custo final da mercadoria (ou serviço) se dá pela soma do custo variável, dividido pela produção proporcional, sendo os custos fixos adicionados diretamente ao resultado.

A vantagem desse método é a geração de dados e informações precisas para a tomada de decisões — por exemplo, identificar quais mercadorias ou linhas de produtos devem ser melhoradas para aumentar as vendas.

Custeio padrão

É um custo pré-atribuído, ou seja, ele toma como base o registro da fabricação antes da definição do custo efetivo. Em suma, essa metodologia indica uma espécie de “custo ideal” que deverá ser seguido, servindo de apoio para os gestores medirem a eficiência da produção e detectar as variações de custo conforme as demandas vão surgindo ao longo do processo.

Esperamos que as informações mencionadas ao longo deste conteúdo tenham ajudado você a compreender como se faz a gestão de custos industriais. Empresas que contam com profissionais que possuem esse tipo de conhecimento, podem desenvolver um gerenciamento mais profundo e eficiente, o que é essencial para tomar decisões estratégicas e reverter situações problemáticas no momento em que ocorrem.

E então, o que achou deste post? Aproveite esta chance e entre em contato conosco, acessando nosso site. Nós, da IBEC Ensino, contamos com um portfólio de cursos de gestão, MBA e pós-graduação extremamente variado. Venha impulsionar sua carreira com a gente!

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *